Social commerce é cada vez mais relevante para o varejo

Até 2027, a modalidade de comércio social deverá atingir US$ 604.5 bi, de acordo com dados da Research and Markets

O mercado de social commerce global deve atingir o montante de US$ 604.5 bilhões até 2027. Pelo menos é o que estima um levantamento da Research and Markets. A maior parte desse total será proveniente da China, cujo montante atual de vendas da modalidade alcançam US$ 351,65 bilhões em 2021, segundo o eMarketer. 

Nos Estados Unidos no mesmo período, as vendas de comércio social serão cerca de um décimo desse montante, de US$ 36,62 bilhões, mas ainda ficam 35,8% superiores ao total de 2020. O comércio social de varejo já é uma indústria multibilionária nos Estados Unidos, tendo lucrado US$ 26,97 bilhões em vendas em 2020. Ainda de acordo com o eMarketer, esse número mais do que dobrará até 2023, já que os ganhos do comércio social no varejo atingirão US$ 56,17 bilhões. 

No Brasil, de acordo com dados da consultoria Ebit-Nielsen, divulgados pelo Money Times, o total de vendas pela internet aumentaram 41%, atingindo R$ 87 bilhões em 2020. Estima-se que cerca de 25% dos internautas sejam social buyers no País. 

Desta forma, basta analisar os números para entender a relevância do social commerce para os grandes mercados de varejo em todo o mundo. 

Um panorama do Social Commerce

Vale definir o que é social commerce (ou comércio social): o termo se refere a produtos ou serviços adquiridos por meio de redes sociais (como Facebook, Instagram, Pinterest, TikTok, WeChat, Line, VK e outros), seja comprando diretamente na plataforma social, como via Instagram Checkout ou WeChat Mini Programs, ou clicando em links na rede social que levam à página do produto do varejista para concluir a compra. 

Além disso, o termo também inclui transações que foram realizadas em plataformas sociais, mas em que o pagamento ocorreu em outro lugar, como transações C2C no Facebook Marketplace.

O crescimento do uso de redes sociais é o principal fator para a relevância do social commerce. Esta modalidade de consumo é mais popular entre os membros adultos da Geração Z, em que mais da metade dos usuários de mídia social dos Estados Unidos com idades entre 18 e 24 anos costumam fazer compras por meio de uma plataforma social.

Embora a compra social seja uma tendência crescente nos Estados Unidos, ela é mais popular na China e na Rússia, onde 51,5% e 49,5% dos usuários de redes sociais, respectivamente, compraram por meio de um canal social.

Nos EUA, os millennials representam o grupo mais propenso a usar as redes de mídia social como fontes de informações importantes para as decisões de compra. Até 2025, o eMarketer estima que o comércio social representará uma indústria de US$ 79,64 bilhões nos EUA. Embora este seja um número elevado, os profissionais de marketing têm um longo caminho a percorrer se planejam alcançar o sucesso da China.

4 boas práticas para aproveitar o potencial crescente do social commerce em seu negócio

Conteúdo ainda é rei

Uma página de produto poderosa, com a capacidade de conversar com o público ainda é importante. Por isso, descubra o que é relevante para a audiência e como cada característica daquele produto seria importante para ela. A PDP deixou de ser mera vitrine para ser uma ferramenta de relacionamento com a audiência.

Conte com os afiliados

Parcerias estratégicas com creators valorizados pela audiência oferecem não apenas informações valiosas sobre seu produto e serviço, mas também auxilia na construção de relacionamento. Os afiliados podem realizar ações para seu produto e serviço como unboxing, resenhas, além de oferecer benefícios exclusivos, como cupons de desconto e recompensas. 

Livestreaming tem cada vez mais força

Muito eficiente especialmente no varejo da China, a relevância das livestreamings não para de crescer. Plataformas como Twitch vêm demonstrando que as pessoas não se cansam de lives com creators que amam. Dessa forma, analise se a criação desse conteúdo shoppable seria viável e eficaz para seu mix de marketing.

Teste as redes

Facebook, Instagram, Pinterest, TikTok… São diversas redes que podem funcionar para segmentos de público diferentes. Por isso, desenhe táticas específicas para cada uma delas de acordo com seu objetivo e mensure, a fim de entender como seu budget pode ser otimizado.

Você pode gostar
Leia mais

Marketing digital sem cookies: a importância de construir sua audiência

Google pretende retirar os cookies de terceiros do seu navegador, Chrome, em 2022.  Navegador é padrão para cerca de 70% dos usuários de internet  De um lado, os defensores da privacidade de dados; do outro, as empresas, que, por meio dos cookies, têm seus anúncios veiculados de forma certeira e personalizada.   No meio desse conflito, estão o…