Varejo em 2022: experiência e LTV são o nome do jogo

De acordo com a CB Insights, cerca de US$ 80 bi serão investidos globalmente a fim de amenizar ou resolver os pontos de atrito em todo o ecossistema de varejo.

A pandemia transformou definitivamente a forma como as pessoas compram. O crescimento do e-commerce foi a maior e mais proeminente mudança deste cenário, mas é fundamental ficar de olho em 2022. O varejo no Brasil deve contar com novas perspectivas em breve.

Uma dessas transformações tem a ver com o consumo por parte do público sênior. Os chamados “baby boomers”, nascidos entre 1946 e 1964, já estão migrando para o digital.

Além disso, a relevância da experiência figital nas compras, a importância da sustentabilidade e o crescimento do uso de dados para personalizar a jornada são alguns importantes insights. Confira mais detalhes sobre o novo varejo no Brasil a seguir.

O varejo tecnológico e sustentável de 2022

A tecnologia se tornou a principal aliada também do varejo. De acordo com a CB Insights, cerca de US$ 80 bi serão investidos em financiamento globalmente a fim de amenizar ou resolver os pontos de atrito em todo o ecossistema de varejo.

Startups de inteligência artificial e realidade aumentada (AR) que se concentram em tornar a jornada do cliente mais conveniente continuarão a atrair investidores. Dessa forma, startups que facilitam as compras e contam com táticas mais tecnologicamente criativas para levar o consumidor para o fundo do funil devem aumentar as conversões em 2022.

No Brasil, por exemplo, uma pesquisa da Opinion Box revela que questões relacionadas ao frete, tais como preço e prazo, são principais pontos de atrito para o consumidor.

Dessa forma, para as empresas, vale a pena contar com táticas que agilizem a entrega e otimizem o preço.

Além da otimização da experiência do consumidor, o foco na mudança climática deve levar as empresas a finalmente impulsionarem seus esforços de sustentabilidade. A preocupação global com pautas ambientais tem lugar cativo na mente tanto de funcionários quanto de consumidores.

Por este motivo, a sustentabilidade deve ser destaque nas reuniões do conselho corporativo em 2022 – finalmente conquistando compromissos com a sustentabilidade que reduzirão materialmente as pegadas de carbono das empresas.

Por fim, vale mencionar a importância ainda maior da publicidade digital para o varejo em 2022. A publicidade em canais de comércio eletrônico estará entre os segmentos de mais rápido crescimento da publicidade digital, respondendo por 1 em cada 8 dólares de publicidade digital este ano, de acordo com dados da Insider Intelligence.

Cada vez mais próxima do fim dos cookies e outros identificadores de terceiros para segmentação de anúncios digitais, a mídia de varejo oferece uma alternativa com relação aos compradores primários dos varejistas para segmentação e as estratégias serão intensificadas no próximo ano. Por outro lado, as preocupações do consumidor com questões relacionadas à privacidade aumentam.

4 principais insights sobre o comportamento do consumidor em 2022

Digital e físico são uma coisa só

As barreiras entre o mundo físico e digital ficaram para trás definitivamente. Oferecer uma boa experiência de compra em qualquer um dos canais é fundamental para que as marcas sobrevivam e ganhem relevância para o consumidor.

LTV é o nome do jogo

Long time value. O termo nunca foi tão importante para o varejo. Geralmente, o termo está relacionado a manter o cliente atual, mas se engana quem pensa que é só isso. Saber como reter o cliente é fundamental também para criar ações que vão conquistar novos. Por isso, ter um bom trabalho de Business Intelligence, capaz de mapear dados de origem e melhores canais de aquisição torna-se passo ainda mais estratégico tanto para reter quanto para fisgar clientes.

ESG é obrigatório

Além de pautas ambientais, cada vez mais importantes para o consumidor, o impacto social também gera debates e em 2022 promete se intensificar. As eleições brasileiras e os desdobramentos da pandemia devem representar momentos de tensão no país e é preciso estar atento às plataformas, especialmente por meio do Social Listening. Ao mesmo tempo que sua marca não pode ser vista como isenta demais, é preciso precaução para que ela não soe oportunista.

Otimização da experiência

Excelência do atendimento presencial e agilidade do atendimento online: o melhor dos dois mundos seria capaz de oferecer a melhor experiência ao consumidor. Por isso, é importante reduzir os atritos para a conversão e oferecer benefícios, como programas de fidelidade e cashback, bem como inovações que mantenham a lealdade à marca.

Você pode gostar
Leia mais

Telemedicina tem salto de atendimentos e transforma o segmento de saúde

Dados da CivicScience revelam que, em março de 2020, 30% dos adultos norte-americanos com mais de 18 anos usaram serviços de telessaúde. No Brasil, em agosto de 2020, foram 3,5 milhões de atendimentos, de acordo com dados da startup Conexa  Ao lado dos serviços de…